O que é DIY: entenda como surgiu e como aplicar o conceito

O D.I.Y., também chamado de “faça você mesmo”, tem aparecido muito nas mídias e redes sociais. Mas será que é uma novidade? Continue a leitura e descubra tudo sobre esse conceito!

Por ser amplamente difundido na mídia e nas redes sociais, você já deve ter ouvido falar do D.I.Y., também chamado de “Do It Yourself” ou, em português, “faça você mesmo”. Essa prática está tão na moda no século XXI que até parece uma novidade. O que poucas pessoas sabem é que essa atividade surgiu lá na década de 1910.

O movimento D.I.Y. surgiu em 1912 como método de manutenção e melhoramento da casa, usando apenas materiais já à disposição dos moradores. Porém, foi na década de 1950, mais precisamente nos Estados Unidos, que a causa ganhou força e passou a causar impacto no nosso cotidiano.

A ideia continua sendo fabricar e consertar coisas, desde cerveja até móveis, sem recorrer à indústria ou a profissionais, afim de economizar, explorar a criatividade e diminuir o consumo visando a sustentabilidade .

Quer entender mais sobre o DIY e como você pode aplicá-lo em sua vida? A gente explica direitinho para você. Continue a leitura!

O que é D.I.Y.?

A sigla D.I.Y. significa, em português, “faça você mesmo” e se aplica a qualquer atividade de criação ou reparação sem o auxílio de profissionais. O DIY pode ser considerado uma filosofia de vida que incentiva a concepção dos objetos necessários no cotidiano, para que assim consigamos diminuir o consumo.

Para que serve e qual é a importância do DIY?

Talvez a motivação mais óbvia da prática do “faça você mesmo” seja a economia. Criando os próprios objetos, é possível mobiliar a sua casa, se vestir e até presentear de forma mais barata. Além disso, o D.I.Y. tem permitido que muitas pessoas explorem seus dons manuais e se tornem micro empreendedores, divulgando seus trabalhos em redes sociais.

Porém, a sua importância, assim como as suas vantagens, vão muito além do alívio no bolso. Aderindo ao conceito, você pode personalizar e adaptar coisas de acordo com as suas necessidades e de modo bastante pessoal, diferindo de qualquer produto comprado em lojas.

A adesão a essa filosofia reflete também diretamente no meio ambiente, já que por meio dela muitos itens que iam para o lixo passaram a serem reaproveitados, como móveis antigos restaurados que transformam o visual de uma sala de estar.

O mais legal é que essa tendência pode ser aplicada em diversos tipos de segmentos, como marcenaria, decorações, roupas, bijuterias, música e até na construção civil.

Qual é a origem do movimento?

A expressão Do It Yourself surgiu nos Estados Unidos em 1912, quando as pessoas eram encorajadas a fazerem seus próprios objetos, reformas e reparos em casa, sem a ajuda de profissionais, com o objetivo de economizar dinheiro.

Mas foi apenas em 1950 que a filosofia realmente se propagou, sendo uma forte aliada do movimento anticonsumista, que visava reduzir o consumo. Nesse momento, os norte-americanos lançaram revistas como a Mecânica Popular e Ciência Popular, nas quais era ensinada a produção de coisas e até como empreender.

Já no começo dos anos 2000, o D.I.Y. ganhou força no cenário punk underground como forma de músicos produzirem e divulgarem suas músicas de forma independente.

Quais são as consequências dessa tendência?

Com o crescimento do número de pessoas criando e consertando suas próprias coisas e, consequentemente, dependendo menos do mercado, a indústria e os varejistas começaram a mudar e se adaptar para atrair esse novo perfil de consumidor.

Uma maneira encontrada de se reinventar foi oferecer os mesmos produtos, mas com melhores qualidades materiais e com a possibilidade de serem montados em casa, divulgando conteúdo e dicas de uso. Esse fato, muitas vezes, levou a quedas no preço da produção, o que é vantajoso tanto para o fabricante quanto para o consumidor.

Uma das empresas pioneiras nesse novo modelo de mercado foi a IKEA. No final da década de 1950, o grupo passou a desenvolver móveis que eram enviados via correio e montados pelos próprios compradores. Essa ação levou à diminuição do custo, ao aumento de espaço no estoque e à facilitação do transporte.

Outro resultado dessa tendência é a diminuição do número de pessoas sem remuneração, já que parte delas optam por investirem e trabalharem em seus próprios produtos, que são mais valorizados do que aqueles produzidos em série pelas indústrias.

Como aplicar o conceito?

Como vimos, o D.I.Y. consiste em buscar ferramentas para você fazer o que precisa no dia a dia. Você pode adotá-lo montando um móvel, trocando um chuveiro, confeccionando e customizando roupas, criando peças de decoração e até mesmo automatizando processos por meio da robótica.

O segredo está em encontrar potencial de funcionalidade em itens deixados nos depósitos ou destinados à lixeira. Retalhos de madeira e até as garrafas pets que você tem jogado no lixo podem se transformar naquele objeto de decoração tão cobiçado, mas com preço inacessível nas lojas.

Você pode aplicar o conceito na marcenaria utilizando pallets (estrados de madeira utilizados para a movimentação de cargas) para criar mesas, bancos e até camas. Além de economizar significantemente na mobília, você deixará os ambientes da sua casa cheios de personalidade utilizando suas estampas e cores favoritas.

Sabe aquela blusa que você ama e manchou? Ela não precisa mais ser descartada. Com um pouco de linha, agulha, miçangas e outros tecidos, você consegue criar uma peça ainda mais bonita e totalmente exclusiva.

Lembre-se também que o D.I.Y. envolve pequenos consertos. Fazendo uma breve pesquisa no YouTube, você encontrará tutoriais de como trocar a resistência do chuveiro, parar o vazamento da torneira da cozinha e até de como pintar corretamente uma parede sem precisar chamar um profissional especializado.

O método D.I.Y. traz inúmeras vantagens! Ao fabricar ou reparar os nossos próprios objetos, estamos distraindo nossa mente e estimulando a criatividade. Atividades como essa estimulam a produção dos hormônios responsáveis pela felicidade, como dopamina e serotonina, e ainda deixam você em dia com a natureza!

Quer ficar por dentro de outros conceitos e práticas que estão na moda? Então, não deixe de nos seguir nas redes sociais. Estamos no YouTubeFacebook e Instagram!

Sua opinião é muito importante!

Comentários